terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Não Tenhas Medo

Por medo!
Estado de espírito que nos paralisa os sentimentos!
Por medo adias a felicidade?
Por medo não amas nem deixas que te amem?
Por medo!
Queres ser feliz mas por medo não enfrentas as batalhas do coração?
És pássaro ferido e por medo não te aventuras nos céus?
Não entres em pânico a felicidade não esta no passado, não tenhas medo do futuro.
Luta hoje para conquistares as alegrias do amanhã!
Sei que não posso apagar os teus medos, mas tenho a oportunidade de te ajudar nessa batalha.
Basta que me dês a mão e partilhes comigo os teus receios.
Só se vence os medos quando os enfrentamos sem o pavor de nos ferirmos de novo!
Na escuridão não procures a luz, fecha os olhos e verás o brilho do meu coração.
E no meio do silêncio cerra os ouvidos, pois escutarás a minha voz.
Se te sentires perdida deixa que te pegue pala mão e te guie, não para um conto de fadas mas para a vida real.
Só lá encontrarás o verdadeiro amor!
Sim é esse mesmo amor que faz magoar, mas também é esse amor que nos leva a conquistar a felicidade.
Não tenhas medo estarei a teu lado.
Eternamente!
(Dedicado a alguém muito especial.
Já mais te deixarei só bjs.)

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Imagens de Victoria Frances & Luis Royo
video

domingo, 7 de dezembro de 2008

ALGUMAS DAS MINHAS FOTOGRAFIAS

video

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

«»«»«»«»«»Ao Teu Encontro«»«»«»«»«»


Procurei o mar para ver o sol nascer.


Encontrei uma deusa que o amor me fez entender!


Voltei lá de madrugada e lá estava a minha amada!


Continuei a lá ir!


Mas um dia ela não apareceu.


Perguntei ao mar, o que aconteceu?


E o mar diz, não estas a perceber?


Ela também sofre, por não poder aparecer.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

--------------------Abram os Olhos------------------


Procuro luz, mas só encontro sombra nos olhares de figuras grotescas que se acham imortais! Nessas vossas vidas medíocres! Que nada vêem para além da vossa existência! Quando acalcanham alguém e ainda acham que a culpa dessa pobre criatura que teve a infelicidade de se ter cruzado do no vosso caminho. Descuidados com aqueles que também vos olham com o mesmo desprezo.
E a cada silêncio sombrio meu coração vai ficando negro, como os vossos olhares gélidos!
E assim vou morrendo, no vosso mundo de silencioso, vazio de sentimentos! Mas um dia vou levantar-me do reino dos mortos e espalharei raios de escuridão, sobre essa vossa existência, e nesse dia irão sentir! O mesmo que sinto enquanto vou desfalecendo a cada momento que os vossos olhares e silêncios escurecem o meu coração.
Abram esses olhos enquanto possuem força, pois a vossa vida é finita.

() () () () () () () () SENTIR () () () () () () () ()




Já não quero mais ter de sentir…
Já não quero mais ter de ver…
Arranca-me os olhos, rasga-me a pele!
Não preciso mais sentir o gelo do teu olhar…
Não preciso mais ver os raios de escuridão da tua ausência…
Rasga-me a pele, arranca-me os olhos!
Não pronuncies nada, cansei dos teus gritos mudos…
Deixo que o teu coração vazio te guie nos caminhos que te levam para lado nenhum…
Já não preciso de ver, já não quero mais sentir!
Arranca-me os olhos, rasga-me a pele.